American Journal of Educational Research
ISSN (Print): 2327-6126 ISSN (Online): 2327-6150 Website: http://www.sciepub.com/journal/education Editor-in-chief: Ratko Pavlović
Open Access
Journal Browser
Go
American Journal of Educational Research. 2013, 1(9), 366-374
DOI: 10.12691/education-1-9-4
Open AccessArticle

Relations of Gender, Body and Sexuality: Students’ Conceptions on Self-care Related to Teaching Sexually Transmitted Diseases

Roberta Ribeiro De Cicco1, and Eliane Portes Vargas2

1Fundação Oswaldo Cruz, Instituto Oswaldo Cruz, PGEBS – RJ, Brasil

2Fundação Oswaldo Cruz, Instituto Oswaldo Cruz, LEAS – RJ, Brasil

Pub. Date: October 22, 2013

Cite this paper:
Roberta Ribeiro De Cicco and Eliane Portes Vargas. Relations of Gender, Body and Sexuality: Students’ Conceptions on Self-care Related to Teaching Sexually Transmitted Diseases. American Journal of Educational Research. 2013; 1(9):366-374. doi: 10.12691/education-1-9-4

Abstract

Adolescence, a fundamental stage of youth development experienced by all young students, is marked by a moment of transition, when several changes take place, from attitudes, questioning and opinions to the passage towards sexuality, with a partner. During this stage, the body becomes loaded with connotations in relation to self representation and care, being interpreted in very specific ways by different societies and social groups. The study aims to present reflections on differences related to gender and body care found in the conception of young students between ages 17 to 20 from a class of secondary school in a State School located in the metropolitan region of Rio de Janeiro – Brazil encompassing sexuality. The results indicate distinct conceptions of gender related to decision making linked to sexual initiation, as well as body care in connection with the acknowledging of body signals and attitudes for STD prevention.

Keywords:
gender body sexuality youth STD

Creative CommonsThis work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International License. To view a copy of this license, visit http://creativecommons.org/licenses/by/4.0/

References:

[1]  Parker, R. Cultura, economia política e construção social da sexualidade. In: LOURO, G. L. (Org.). O corpo educado: pedagogias da sexualidade. 3ª ed. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 125-150, 2010.
 
[2]  Louro, G. L. Pedagogias da sexualidade. In: LOURO, G. L. (Org.). O corpo Educado: pedagogias da sexualidade. 3ª ed. Belo horizonte: Autêntica Editora, 07-34, 2010.
 
[3]  Brêtas, J.R.S.; Silva, C. V. Orientação sexual para adolescentes: relato de experiência. ActaPaulista de Enfermagem. 18 (3).São Paulo, 2005.
 
[4]  Orlander, A. A.; Wickman, P. Bodily experiences in secondary school biology. Cultural Studies of Science Education, Germany, 13.569-594, 2011.
 
[5]  Paiva, V. Sexualidades Adolescentes: escolaridade, gênero e o sujeito sexual. Texto de apoio do Curso de Especialização em Avaliação de Programas de Controle de Processos Endêmicos, com ênfase em DST/HIV/AIDS – Dimensão Técnico-operacional – MLP extraído de Sexualidades Brasileiras. Rio de Janeiro: Relume-Dumará, 213-234, 1996.
 
[6]  Shoveller J.A., Johnson J.L., Langille D.B., Mitchell T. Socio-cultural influences on young people's sexual development . Social Science & Medicine, 59 (3). 473-487, 2004.
 
[7]  Castro, M. G.; Abramovay, M.; Silva, L. B. da.Juventude e sexualidade. Brasília: UNESCO, MEC, Coordenação Nacional de DST/AIDS, Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres, Instituto Airton Sena, 2004.
 
[8]  Heilborn, M. L. Experiência da Sexualidade, Reprodução e Trajetórias Biográficas Juvenis. In: Heilborn, M. L.; Aquino, E. M. L.; Bozon, M.; Kanuth, D. R. (Orgs.). O Aprendizado da Sexualidade: reprodução e trajetórias sociais de jovens brasileiros. Rio de Janeiro. Garamond e Fiocruz, 29-59, 2006b.
 
[9]  Heilborn, M. L. Articulando gênero, sexo e sexualidade: diferença na saúde. In: Goldenberg, P.; Marsiglia, R. M. G.; Gomes, M. H. A. (Orgs.). O Clássico e o novo:tendências, objetos e abordagens em ciências e saúde. Fiocruz: Rio de Janeiro, 197-207, 2003.
 
[10]  Heilborn, M. L. Entre as tramas da sexualidade brasileira. Estudos Feministas, Florianópolis, 14 (1). 43-59, 2006a.
 
[11]  Mandú, E. N. T.; Corrêa, A. C. P. Educação Sexual Formal na Adolescência: Contribuições à Construção de Projetos Educativos. Acta. Paulista de Enfermagem. São Paulo, 13 (1). 27-37, 2000.
 
[12]  Alves, C. M.; Brandão, E. R. Vulnerabilidade no uso de métodos contraceptivos entre adolescentes e jovens: interseções entre políticas públicas e atenção à saúde. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, 14, (2). Mar/Abr, 2009.
 
[13]  Geertz, C. “Uma descrição densa: por uma teoria interpretativa da cultura”. In: A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: Zahar, 13-41, 1989.
 
[14]  Dinis, N.; Asinelli-Luz, A. Educação sexual na perspectiva histórico-cultural. Educar, Editora UFPR, Curitiba, 30. 77-87, 2007.
 
[15]  Brasil. Parâmetros Curriculares Nacionais: Temas Transversais: Orientação Sexual.Ministério da Educação. Brasília: MEC, 285-336, 1998b.
 
[16]  Tenkorang, E. Y.; Maticka- Tyndale, E. Rajulton, F. A multi-level analysis of rosk perception, poverty and sexual risk-taking among young people in Cape Town, South Africa. Health &Place, 17 (2). 525-535, 2011.
 
[17]  Rodrigues, J. C. Tabu do corpo. 7ªEdição, Editora Fiocruz: Rio de Janeiro, 2006.
 
[18]  Mauss, M. (2003). As técnicas do corpo. In: Sociologia e antropologia. São Paulo: Cosac Naify, p. 339-422.
 
[19]  Le Breton, D. A Sociologia do corpo. 3ª edição. Editora Vozes, Petrópolis, Rio de Janeiro, 2009.
 
[20]  Altmann, H. Educação sexual e primeira relação sexual: entre expectativas e prescrições. Estudos Feministas, Florianópolis, 15 (2). 333-356, 2007a.
 
[21]  Bozon, M. Sociologia da Sexualidade. Rio de Janeiro. Editora FGV, 2004.
 
[22]  Louro, G,L. Gênero e Sexualidade: pedagogias contemporâneas. Pró-posições, 19, (2) (56), p.17-23, 2008.
 
[23]  Carradore, V. M.; Ribeiro, P. R. M. Relações de Gênero, Sexualidade e AIDS: apontamentos para reflexão, 2004. Disponível em http://www.periodicos.udesc.br, acessado em 27 de julho de 2011.
 
[24]  Taquette, S. R.; Vilhena, M. M. de; Paula, M. C. de. Doenças Sexualmente Transmissíveis e gênero: um estudo transversal com adolescentes no Rio de Janeiro. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, 20 (1). 282-290, 2004.
 
[25]  Scott, J. Gênero: uma categoria útil para a análise histórica. Educação e Realidade. Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul; Faculdade de Educação, 20 (2). 71-99, 1995.
 
[26]  Bozon, M.; Heilborn, M. L. Iniciação à sexualidade: modos de socialização, interações de gênero e trajetórias individuais. In: Heilborn, M. L.; Aquino, E. M. L.; Bozon, M.; Knauth, D. R. (Orgs.). O Aprendizado da Sexualidade: reprodução e trajetórias sociais de jovens brasileiros. Rio de Janeiro: Garamond e Fiocruz, p.156-205, 2006.
 
[27]  Victora, C. G.; Knauth, D. R.; Hassen, M. N. A. A Pesquisa qualitativa em saúde: uma introdução ao tema. Porto Alegre: Tomo Editorial, Cap.1, 2000.
 
[28]  Rodrigues, J. C. “Os corpos e a Antropologia”. In: Minayo, M. C. S.; Coimbra, Jr. C. (Orgs). Críticas e atuantes: ciências sociais e humanas em saúde na América Latina. Editora Fiocruz: Rio de Janeiro;157-182, 2005.
 
[29]  Pimenta, D. N.; Leandro, A.; Schall, V. T. A estética do grotesco e a produção audiovisual para a educação em saúde: segregação ou empatia? O caso das leishmanioses no Brasil. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, 23 (5). 1161-1171, 2007.
 
[30]  Brasil. Programa Nacional do Livro Didático para o ensino médio. PNLEM. Ministério da Educação, 2004. Disponível em www.fnde.gov.br acessado em 04 de outubro de 2009.
 
[31]  Brasil. Parâmetros Curriculares Nacionais: apresentação dos temas transversais/ Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 146p, 1997.
 
[32]  Brasil. Parâmetros Curriculares Nacionais: Temas Transversais: Orientação Sexual. Ministério da Educação. Brasília: MEC/SEF, 436p, 1998a.
 
[33]  Brasil. Programa Nacional de DST/AIDS. Ministério da Saúde, 2010. Disponível em www.aids.gov.br acessado em 17 de maio de 2010.
 
[34]  Andrade, C.P.; Forastiri, V.; El-Hani, C.N. Como os livros didáticos de ciências e biologia abordam a questão da orientação sexual?. Atas do III ENPEC: Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências. Atibaia, São Paulo, 2001.
 
[35]  Mohr, A. Análise do conteúdo de “saúde” em livros didático. Ciência e Educação, 6 (2). 89-106, 2000.
 
[36]  Luz, Z.M.P. da; Pimenta, D.N.; Rabello, A. e Schall, V. Evaluation of informative materials on leishmaniasis distributed in Brazil: criteriaand basis for the production and improvement of health education materials. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 19 (2): 561-569, 2003.
 
[37]  Vasconcelos, S. D. e Souto, E. O livro didático de ciências no ensino fundamental: proposta de critérios para análise do conteúdo zoológico. Ciência e Educação, 9 (1). 93-104, 2003.
 
[38]  Oliveira, D. C. de; Portes, A. P. M. de; Gomes, A. M. T.; Ribeiro, M. C. M. Conhecimentos e práticas de adolescentes acerca das DST/HIV/AIDS em duas escolas públicas municipais do Rio de Janeiro. Escola. Anna Nery, 13 (4). 833-841, 2009.
 
[39]  Instituto de Saúde. Comportamento Sexual, Uso de Preservativos e Contracepção de Emergência por Adolescentes do Município de São Paulo – estudo com estudantes de escolas públicas de Ensino Médio. Figueiredo, R.; Pupo, L. R.; Alves, M. C. G. P.; Escuder, M. M. L. (Orgs.) São Paulo: Instituto de Saúde, 38p, 2008.
 
[40]  Freire, P. Pedagogia do Oprimido, Paz e Terra, Rio de Janeiro, 2005.
 
[41]  Vygotsky, L. S. A formação social da mente: o desenvolvimento dos processos psicológicos superiores. Implicações Educacionais. Capítulo 6. Martins Fontes, São Paulo, 2007.
 
[42]  Tonatto, S. E.; Sapiro, C. M. Os novos parâmetros curriculares das escolas brasileiras e educação sexual: Uma proposta de intervenção em ciências. Psicologia e Sociedade, Porto Alegre, 14 (2) . 163-175, 2002.
 
[43]  Altmann, H. A sexualidade adolescente como foco de investimento político-educacional. Educação em Revista. Belo Horizonte, n.46; p.287-310; 2007b.
 
[44]  Altmann, H. Orientação Sexual em uma escola: recortes de corpos e de gênero. Cadernos Pagu. v. 21; p. 281-315; 2003.
 
[45]  Altmann, H. Sobre a Educação Sexual como um Problema Escolar. Linhas, v. 7 n. 1, 2006. Disponível em www.periodicos.udesc.br acessado em 17 de maio de 2010.