American Journal of Educational Research
ISSN (Print): 2327-6126 ISSN (Online): 2327-6150 Website: http://www.sciepub.com/journal/education Editor-in-chief: Ratko Pavlović
Open Access
Journal Browser
Go
American Journal of Educational Research. 2017, 5(5), 546-551
DOI: 10.12691/education-5-5-11
Open AccessArticle

Teaching Evaluation by Teachers from Brazil and Portugal: A Comparative Analysis

Ronaldo Nunes Linhares1, Caio Mário Guimarães Alcântara2, , Everton Ávila Gonçalves1, Fernando Ramos3 and Maria José Loureiro4

1Doctoral Program in Education, Tiradentes University, Aracaju, Brazil

2Master Degree Program in Education, Tiradentes University, Aracaju, Brazil

3Communication and arts Department, University of Aveiro, Aveiro, Portugal

4Education Department, University of Aveiro, Aveiro, Portugal

Pub. Date: May 27, 2017

Cite this paper:
Ronaldo Nunes Linhares, Caio Mário Guimarães Alcântara, Everton Ávila Gonçalves, Fernando Ramos and Maria José Loureiro. Teaching Evaluation by Teachers from Brazil and Portugal: A Comparative Analysis. American Journal of Educational Research. 2017; 5(5):546-551. doi: 10.12691/education-5-5-11

Abstract

This article aims to compare the perceptions of Brazilian and Portuguese teachers about the evaluation of teaching mediated by information and communication devices. It is a qualitative, explanatory study. The analysis of these responses considered six categories belonging to three dimensions created in the WebQDA qualitative analysis software and concludes that teachers still face institutonal and personal difficulties to insert the information and communication devices in teaching. It is also concluded that there is a strong need to research and discuss teacher assessment with teachers.

Keywords:
assesstment teaching information and communication devices

Creative CommonsThis work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International License. To view a copy of this license, visit http://creativecommons.org/licenses/by/4.0/

References:

[1]  Castells, M. et al. (2009). Comunicação móvel e sociedade: uma perspectiva global. Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian.
 
[2]  Unesco. (2008). Computador na escola: o futuro anunciado. In Unesco. TICs nas Escolas, v 3, n 2. Brasília: Unesco.
 
[3]  Fischer, R.M.B. (2002). Dispositivos pedagógicos da mídia: modos de educar na (e pela) TV. Educação e Pesquisa, São Paulo, v 28, n 1, p. 151-162, jan./jun.
 
[4]  Kenski, V.M. (2007). Educação e tecnologias: o novo ritmo da informação. Campinas: Papirus.
 
[5]  Souza, A.P.C..; Moreira, A.P. (2016). WebQDA. Aveiro: MicroIO. Disponível em www.webqda.net
 
[6]  Gehardt, T.E.; Silveira, D.T. (org). (2009). Métodos de Pesquisa. Porto Alegre: Editora UFRGS.
 
[7]  Chizzoti, A. (1991). Pesquisa em ciências humanas e sociais. São Paulo: Cortez.
 
[8]  Burke, P. (2002). História e Teoria Social. São Paulo: Unesp.
 
[9]  Nóvoa, A.S. (1998). Histoire & comparaison: essais sur l’education. Lisboa: Educa.
 
[10]  Krawczyk, N. (2013). Pesquisa comparada em educação na américa Latina: situações e perspectivas. Educação Unisinos, v 17, n3, set-dez, p. 199-204.
 
[11]  Ardoino, J. (1998). Abordagem multirreferencial (plural) das situações educativas e formativas. In Barbosa, J. (org) Multirreferencialidade nas ciências e na educação. São Carlos: EdUFSCar.
 
[12]  Fagundes, N.C.; Burnham, T.F. (2001).Transdisciplinaridade, multidisciplinaridade e currículo. Revista da FACED, n 5, p. 39-55.
 
[13]  Neves, F.R. (2015). Multirreferencialidade e o pensar filosófico em sala de aula: elementos para uma construção do ensino de filosofia tradicional. Conjectura: Filosofia e Educação, v 20, n 2, p. 161-180, set-dez.
 
[14]  Foucault, M. (2010). Hermenêutica do sujeito. 3 ed. São Paulo: Martins Fontes.
 
[15]  Foucault, M. (1999). A ordem do discurso – aula inaugural do Collège de France, pronunciada em 2 de dezembro de 1970. Tradução Laura Fraga de Almeida Sampaio. São Paulo: Edições Loyola.
 
[16]  Deleuze, G. (1990). O que é um dispositivo? In Foucault, M. Filósofo. Barcelona: Gedisa.
 
[17]  Deleuze, G. (2003). Foucault. Tradução Cláudia Sant’Anna Martins. São Paulo: Brasiliense.
 
[18]  Pereira, E.G. (2014). Tecnologias da Informação e Comunicação na formação continuada de professores: estudo de caso em escolas do Brasil e de Portugal com recusos e aplicação do Google+. (Doctoral Disseration, Universidade do Minho).
 
[19]  Gomes, C.A.S. (2015). Avaliação do programa “Um Computador Por Aluno” (PROUCA) sob a óptica do modelo CIPP. (Doctoral Disseration, Universidade Federal do Ceará).
 
[20]  Unesco/ITU. (2005). WSIS outcome documents. Túnis: Unesco.
 
[21]  Aenor. (2003). Norma 66/175: sistema de gestión de la calidad. Guía para la implantación de sistemas de indicadores. Madri: AENOR.
 
[22]  Sierra, J.M.C. (2012) Sistema básico de indicadores para la educación superior de América Latina. Valéncia: Universitat Politécnica de Valéncia.
 
[23]  ILO. (2013). ¿Qué son y cómo se construyen los indicadores en la evaluación de impacto? In OIT. Guía para la evaluación de impacto de la formación profesional. Disponível em http://guia.oitcinterfor.org/como-evaluar/como-se-construyen-indicadores
 
[24]  Corradini, S.N. (2008). Indicadores de qualidade: um estudo a partir do PISA e da TALIS. (Doctoral Disseration, Universidade Federal de São Carlos).
 
[25]  Pasinato, N.M.B. (2011). Proposta de indicadores para avaliação dos estágios de integração das TIC na prática pedagógica do professor. (Master Degree Thesis, Pontifícia Universidade Católica do Paraná).
 
[26]  Machado, D.D. (2014). Indicadores educacionais de desenvolvimento profissional da docência em música nos anos finais do ensino fundamental. (Doctoral Disseration, Universidade Federal de São Carlos).
 
[27]  Inter-american Bank. (2010). Tecnologías de La Información y La Comunicación (TICs) en Educación: Marco Conceptual e Indicadores. Washington: BID.
 
[28]  Kennisnet Foundation. (2015). Four in Balance Monitor 2015: Use and benefits of ICT in education. Amsterdã: Kennisnet.
 
[29]  Banco Mundial. (2015). Knowledge Maps: ICT in Education. Disponível em http://www.infodev.org/en/Publication.8.html
 
[30]  CGI. (2016). Educação e Tecnologias no Brasil: um estudo de caso longitudinal sobre o uso das tecnologias da informação e comunicação em 12 escolas públicas. São Paulo: CGI.
 
[31]  Lüdke, M. (2002). Um olhar sobre a avaliação escolar. In Freitas, L.C. (org). (2002). Avaliação: construindo o campo e a crítica. Florianópolis: Editora Insular.
 
[32]  Martinha, D.S. (2014). O ensino online nas instituições de ensino superior privadas: as perspetivas docente e discente e as implicações na tomada de decisão institucional. (Doctoral Disseration, Universidade de Lisboa).