American Journal of Educational Research
ISSN (Print): 2327-6126 ISSN (Online): 2327-6150 Website: http://www.sciepub.com/journal/education Editor-in-chief: Ratko Pavlović
Open Access
Journal Browser
Go
American Journal of Educational Research. 2014, 2(7), 559-563
DOI: 10.12691/education-2-7-21
Open AccessArticle

Adolescents in Conflict with the Laws in São Paulo - Brazil: the Social Practices and Their Educational Processes

Willian Lazaretti da Conceição1,

1PhD Student in Education, University of Campinas, Campinas, Brazil

Pub. Date: July 14, 2014

Cite this paper:
Willian Lazaretti da Conceição. Adolescents in Conflict with the Laws in São Paulo - Brazil: the Social Practices and Their Educational Processes. American Journal of Educational Research. 2014; 2(7):559-563. doi: 10.12691/education-2-7-21

Abstract

This paper aims to present the specific educational services to adolescents who are under socio deprivation of liberty in the State of São Paulo - Brazil. The criminal liability of the young is by application of educational measures called that vary according to the severity of the offense and the ability of the young to fulfill it, with an education a right secured to this young man, regardless of offense. The qualitative research sought social practices of young offenders reported in theses and dissertations on specific topic, and the technique of classroom observation and informal conversations with the teachers, the period between 2008 and 2013 was also used. As a result, we found that formal education for these teens run as a space conquest of rights that were previously denied. Right attention, respect, acceptance, love, because the faculty deal with these teens with a look that recognizes them as subjects of rights and, in addition, comprise the peculiar developmental condition that pervade, understanding the anguish, doubts and behaviors sometimes inadequate.

Keywords:
Brazil education adolescents offender social practice rights of children and adolescents

Creative CommonsThis work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International License. To view a copy of this license, visit http://creativecommons.org/licenses/by/4.0/

References:

[1]  Dias, A. F; Onofre, E. M. C. (2010) A relação do jovem em conflito com a lei e a escola. Impulso, Piracicaba, vol. 20, no. 49, 31-42. Available: https://www.metodista.br/revistas/revistas-unimep/index.php/impulso/article/viewFile/870/471.[Accessed Mar. 2, 2014].
 
[2]  Sen, A. Prefácio IN: Green, D.(2009). Da pobreza ao poder: como cidadãos ativos e estados efetivos podem mudar o mundo. (L. Vasconcelos Trad.) São Paulo: Cortez; Oxford: Oxfam International.
 
[3]  Santana, J. S. S. O processo de exclusão de adolescentes no Brasil: sua origem na infância desvalorizada. (2000). In: Ramos, F. R. S.; Monticelli, M.; Nitschke, R. G. (orgs.). Um encontro da enfermagem com o adolescente brasileiro. Brasília: ministério da Saúde/ABEN Nacional, v. 1, p. 15-36.
 
[4]  Lopes, R. E.; Silva, C. R.; Malfitano, A. P. S.(2006). Adolescência e Juventude de grupos populares urbanos no brasil e as políticas públicas: apontamentos históricos”. Revista HISTEDBR on-line, Campinas, n. 23, p. 114-130. Available http://www.histedbr.fae.unicamp.br/revista/edicoes/23/art08_23.pdf. [Accessed Mar. 10, 2014].
 
[5]  Mendéz, E. G. (2006). Evolución histórica del derecho de la infância: ¿Por que uma historia de los derechos de la infância?. In: ILANUD; ABMP, SEDH, UNFPA (Orgs.). Justiça, adolescente e ato infracional. São Paulo: ILANUD.
 
[6]  Passone E. F. K. (2014). “The New Actors of the Society in Social Policies of Attendance to the Children and the Adolescents in Brazil.” American Journal of Educational Research, vol. 2, no. 2, 97-101.
 
[7]  Rizzini, I.; Rizzini, I; Naiff, L.; Baptista, R.(2007). Acolhendo crianças e adolescentes. 2ª Ed., São Paulo: Cortez; Brasília, DF: UNICEF; CIESPI; Rio de Janeiro, RJ: PUC-Rio.
 
[8]  Brasil (2012). Lei nº 12.594, de 18 de Janeiro de 2012. Esta Lei institui o Sistema Nacional de Atendimento Socioeducativo (Sinase) e regulamenta a execução das medidas destinadas a adolescente que pratique ato infracional. Available: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2011-2014/2012/Lei/L12594.htm
 
[9]  Almeida, B. G. M. (2010). A experiência da internação entre adolescentes: práticas punitivas e rotinas institucionais. Dissertação (Mestrado em Sociologia). São Paulo: Universidade de São Paulo.
 
[10]  Conceição, W. L. (2012). Lazer e adolescentes em privação de liberdade: um diálogo possível? Dissertação (Mestrado em Educação). São Paulo: Universidade Federal de São Carlos.
 
[11]  Conceição, W. L. (2013). Escola e privação de liberdade: um diálogo em construção. Revista Brasileira Adolescência E Conflitualidade, 0 (9. Available: http://periodicos.uniban.br/index.php?journal=RBAC&page=article&op=view&path%5B%5D=430&path%5B%5D=402.[Accessed Apr. 20, 2014].
 
[12]  Gallo, A. E.; Williams, L. C. A. (2005). Adolescentes em conflito com a lei: uma revisão dos fatores de risco para a conduta infracional. Psicol. teor. prat., São Paulo, v. 7, n. 1, jun. Available : http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-36872005000100007&lng=es&nrm=iso>.[Accessed Apr. 13, 2014].
 
[13]  Dias, A. F. (2011). O jovem autor de ato infracional e a educação escolar: significados, desafios e caminhos para a permanência na escola. Dissertação (mestrado em educação). São Paulo: Universidade Federal de São Carlos.
 
[14]  Freire, P. (2005). Pedagogia do oprimido. 40 ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra.
 
[15]  Guimarães, A. M. (2003). Vigilância, punição e depredação escolar. Campinas: Papirus.
 
[16]  Pérez-Gómez, A. I. (1998). As funções sociais da escola: da reprodução à reconstrução crítica do conhecimento e da experiência. In: Gimeno-Sacristán, J.; Pérez-Gómez, A. I. Compreender e transformar o ensino. Porto Alegre: Artmed.
 
[17]  Moreira, A. F. B.; Tadeu, T. (2011). Sociologia e teoria crítica do currículo: uma introdução. In: Moreira, A. F.; Tadeu, T. Currículo, cultura e sociedade. São Paulo: Cortez.
 
[18]  Veiga-Neto, A. (2003). Cultura, culturas e educação. Revista de Educação. no.23, maio/jun/Jul/Ago. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/rbedu/n23/n23a01
 
[19]  Leme, J. A. G. (2011). Analisando a “grade” da “cela” de aula. In: Lourenço, A. S.; Onofre, E. M. C. O espaço da prisão e suas práticas educativas: enfoques e perspectivas contemporâneas. São Carlos: EdUFSCar.
 
[20]  Tardif, M. (2002). Saberes docentes e formação profissional. Petrópolis: Vozes.
 
[21]  Santos, S. dos. (2011). O espaço administrado da prisão e a escola como locus de resistência. In: Lourenço, A. S.; Onofre, E. M. C. O espaço da prisão e suas práticas educativas: enfoques e perspectivas contemporâneas. São Carlos: EdUFSCar.
 
[22]  Sykes, G. (1999). The society of captives: a study of a maximum prison. New Jersey: Princenton University Press.
 
[23]  Scarfó, F. J. (2008). Los fines de la educación básica en cárceles en la provincia de Buenos Aires: el derecho humano a la educación. La Plata: Editorial Universitária de la Plata.
 
[24]  Calado, V. A. (2010). Escolarização, gênero e conflito com a lei: um estudo de registros de atendimento a adolescentes em medida socioeducativa. Dissertação (Mestrado em Psicologia). São Paulo: Universidade de São Paulo.
 
[25]  Fiori, E. M. (1986). Conscientização e educação. Educação e Realidade. Porto Alegre: UFRGS.
 
[26]  Brasil (2013). Relatório da Infância e juventude – Resolução n.º 67/2011: Um olhar mais atento às unidades de internação e semiliberdade para adolescentes. Brasilia: Conselho Nacional do Ministério Público.